Hospital Lifecenter | Blog
Serviços Hospitalares
  • Consultas e exames
  • Pronto Atendimento
  • Cirurgias e Procedimentos
  • Diagnóstico e tratamento de lesões intra cranianas
  • Embolização de tumores benignos e malignos e mal formações vasculares
  • Laboratório de Hemodinâmica
  • Terapia Intensiva
  • Internação Hospitalar
  • Especialidades Médicas
  • Anestesiologia
  • Arritmologia cardíaca
  • Cardiologia clinica
  • Cardiologia Intervencionista
  • Cirurgia bariátrica
  • Cirurgia buco-maxilo-facial
  • Cirurgia cardiovascular
  • Cirurgia coloproctologica
  • Cirurgia de cabeça e pescoço
  • Cirurgia de coluna
  • Cirurgia de joelho
  • Cirurgia de mão
  • Cirurgia de quadril
  • Cirurgia endovascular
  • Cirurgia geral e digestiva
  • Cirurgia ginecológica
  • Cirurgia hepato-bileo-pancreatica
  • Cirurgia otorrinolaringológica
  • Cirurgia plástica estética e reparadora
  • Cirurgia torácica
  • Cirurgia urológica
  • Cirurgia vascular
  • Clínica médica
  • Coloproctologia
  • Eletrofisiologia cardíaca
  • Endocrinologia
  • Gastroenterologia e Nutrologia
  • Ginecologia
  • Hematologia
  • Hemodinâmica
  • Hepatologia
  • Infectologia
  • Medicina de urgência
  • Medicina Interna
  • Nefrologia
  • Neurocirurgia
  • Neurologia
  • Neurorradiologia
  • Oncologia
  • Ortopedia e traumatologia
  • Ortopedia Oncológica
  • Otorrinolaringologia
  • Reumatologia
  • Terapia intensiva de adultos
  • Urologia
  • Especialidades Multiprofissionais
  • Enfermagem
  • Fisioterapia
  • Fonoaudiologia
  • Nutrição e dietética
  • Psicologia Clínica Hospitalar
  • Blog

    Automedicação: um risco para a nossa saúde


    Postado em 02/04/2019



    Muita gente mantém em casa a famosa “farmacinha caseira”, com remédios para os mais diversos tipos de problemas, como uma dor de cabeça ou um resfriado. O consumo de remédios sem a indicação médica é a chamada automedicação, um dos problemas mais graves enfrentado pela saúde em nosso país.


    Segundo levantamento do Instituto de Ciência e Tecnologia e Qualidade (ICTQ), o Brasil é recordista mundial em automedicação, com 72% dos brasileiros se medicando por conta própria e 40% fazendo autodiagnóstico usando a internet.


    Você conhece os riscos da automedicação? Continue a leitura e saiba a importância de seguir a recomendação médica para todos os tipos de tratamento.



    Procure pelo médico, não pelo medicamento


    A automedicação pode trazer uma falsa sensação de praticidade, mas muitas vezes pode ser perigosa. Fazer a ingestão de um medicamento pressupõe um diagnóstico que só pode ser feito pelo médico. Caso contrário, usar remédios da forma errada pode esconder sintomas e agravar a doença.


    Nas situações de uso de dois medicamentos, uma combinação inadequada pode anular o efeito do outro ou até mesmo potencializá-lo. O uso de medicamentos sem a recomendação ainda pode causar intoxicação, reações alérgicas, dependência e até mesmo a morte.


    Portanto, não aceite a indicação de amigos, parentes, vizinhos ou funcionários de drogarias.



    Automedicação pode ser grave


    Por hora, duas pessoas se intoxicam com medicamentos no Brasil devido a problemas como a automedicação, segundo dados extraídos das estatísticas do Sistema Nacional de Informações Tóxico-Farmacológicas (Sinitox).


    De acordo com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), intoxicações e reações alérgicas estão entre os problemas relacionados ao uso de medicamentos sem orientação. Analgésicos, antitérmicos e anti-inflamatórios são os maiores responsáveis por estas complicações.


    Especialistas lembram também que o uso indiscriminado de medicamentos em crianças pode prejudicar o seu sistema imunológico, favorecendo o aparecimento de doenças no futuro.



    Uso incorreto de antibióticos


    No caso dos antibióticos, a preocupação é ainda maior. Quando esse tipo de remédio é consumido sem controle, pode provocar resistência das bactérias aos medicamentos disponíveis no mercado, tornando cada vez mais difícil o tratamento de infecções.


    Desde 2011 é preciso apresentar receita médica para comprar antibióticos em farmácias. No entanto, o risco do uso inadequado desse tipo de medicamento continua. Exemplo disso é quando o paciente negligencia a recomendação médica quanto aos dias e horários necessários para o uso do medicamento. Ao interromper a medicação, o paciente pode prejudicar o tratamento e até mesmo aumentar a resistência das bactérias.


    Outro fator de risco é quando o paciente faz uso daquele medicamento que sobrou de outro tratamento. Como consequência renova o ciclo de resistência dos antibióticos, o risco de infecções graves e lesões em alguns órgãos como fígado e intestino.



    Antibiótico exige cuidado redobrado


    Quando uma bactéria é exposta repetidas vezes e por longos períodos aos antibióticos, ela cria uma defesa natural. Essa resistência pode ser transferida para outras bactérias no meio ambiente e para as gerações seguintes, com alta capacidade de disseminação.


    Além disso, o uso inadequado de antibióticos causam efeitos colaterais. Os mais comuns são fezes moles, diarreia e náuseas. Algumas classes desses medicamentos também podem provocar má formação no feto durante a gravidez. Por isso, grávidas nunca devem tomar antibióticos sem o conhecimento de seu médico.



    Manter medicamento em casa é uma boa ideia?


    Além do risco de uma ingestão acidental por uma criança, armazenar medicamentos em casa pode diminuir a eficiência do produto. Isso porque ele pode ser armazenado de forma inadequada e ficar exposto a temperaturas altas ou à umidade. Sem contar a data de vencimento, que é preciso ter muita atenção.


    Viu como o ideal é sempre consultar o médico e ter o diagnóstico correto? A automedicação guarda riscos que o paciente nem imagina.


    Se precisar marcar uma consulta, clique aqui. Você também pode agendar pelo telefone (31) 3279-2222 ou WhatsApp (31) 9 9890-9916. Pensou em saúde, pensou Lifecenter.


    Este post possui 0 comentários.

    Deixe um Comentário